quinta-feira, 14 de setembro de 2017

MPCE comemora Dia Estadual do Mediador Comunitário

“É preciso amar para mediar…” foi o tema da palestra motivacional ministrada pela jornalista, escritora, terapeuta nativa e blogueira, Kareemi, que marcou o Dia Estadual do Mediador Comunitário, promovido pelo Programa Núcleos de Mediação Comunitária do Ministério Público do Estado do Ceará. Instituído pela Lei nº 14620/2010, o Dia Estadual do Mediador Comunitário é comemorado em 13 de setembro com homenagens aos valorosos voluntários que se dedicam à promoção da paz social e ao pleno exercício da cidadania. O início das comemorações foi realizado, na manhã desta quarta-feira, no auditório da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ).
Além da palestrante, participaram da mesa diretora dos trabalhos a vice-governadora do Estado do Ceará, Izolda Cela; a vice-procuradora geral de Justiça, Vanja Fontenele; a promotora de Justiça Iertes Gondim; o secretário-chefe de Gabinete da Prefeitura Municipal de Fortaleza, Francisco Queiroz; a vice-ouvidora do MPCE, Maria Magnólia Barbosa; a representante da Associação Cearense do Ministério Público, Liduína Martins; a presidente da Comissão Especial de Mediação, Conciliação e Arbitragem da Ordem dos Advogados do Brasil, Maria Darlene Monteiro; o presidente do Sindicato de Transportes de Passageiros (Sindiônibus) Dimas Barreira; e a mediadora do Núcleo de Mediação da Parangaba, dona Pedrina de Araújo.
A promotora de Justiça Iertes Gondim agradeceu a todos os parceiros, mediadores e a todos os integrantes da rede que forma o sistema de garantia de direitos que contribuem para o funcionamento do Núcleos de Mediação. Ela registrou seu reconhecimento ao pioneirismo da implantação do trabalho pela ex-procuradora geral de Justiça Socorro França e pelo promotor de Justiça Edson Landim. “O trabalho de mãos dadas é que nos impulsiona a seguir em frente, com mediadores de 18 a 83 anos. Temos que ter fé, porque o nosso Deus é o do impossível”, disse, ao acrescentar a importância do projeto de mediação escolar encampado pelos promotores de Justiça Hugo Lucena (da Infância e Juventude) e Elizabeth Oliveira (de Defesa da Educação).
A vice-procuradora geral de Justiça, Vanja Fontenele, destacou que o trabalho de mediação era caro não só para o Ministério Público, mas para toda situação mundial, em que se constata toda forma de conflito. Ela recordou a inauguração da primeira Casa de Mediação no bairro Pirambu. “Tenho muito orgulho de ter participado daquele momento histórico. Éramos 18 mediadores e a metade desistiu, porque não é fácil. Só ficaram os que se identificaram. Hoje, somos 135 mediadores. Isso significa que a luta valeu a pena. Que a mediação reproduza a mensagem de amor e de paz que tanto precisamos”, comemorou.
A vice-governadora, Izolda Cela, mostrou-se honrada em participar daquele momento tão relevante para o MPCE. Para ela, a expectativa é a de que o programa de mediação seja expandido cada vez mais, uma vez que havia tantas pessoas compromissadas com a causa. “Vocês estão prestando um serviço relevante à pátria e à cidadania. Os mediadores já fazem uma prestação de contas à sociedade pelo seu trabalho. Não tenho dúvida de que estamos fazendo uma melhoria ao tecido social”, disse. Ela declarou que não temos como enfrentar a violência se não melhorarmos a promoção do diálogo respeitoso, o qual faz parte da mediação de conflitos.
Por meio da sua história e do seu corpo, a palestrante Kareemi provou que grandes tragédias podem se transformar nas maiores oportunidades para a realização pessoal e profissional. A jornalista, que atuava como executiva de mídia em grandes redes de comunicação do país, teve sua vida transformada no Réveillon de 2012, quando sofreu um grave acidente que a deixou entre a vida e a morte e ocasionou a amputação de seu braço direito.
Buscando a interatividade com a plateia, Kareemi enfatizou que sua conversa era sobre vida, que é feita de fatos encadeados e de conflitos nas relações interpessoais. Mas, o entendimento e o diálogo para a boa convivência estão embasados na paciência, como ciência da paz, para ouvir os lados conflituosos. Para ela, o segundo passo, também de igual importância, está na capacidade de cada um sentir empatia, que significa colocar-se no lugar do outro. “Portanto, a mediação voluntária é um trabalho de grande valor, nobreza e disposição, tendo que ter muito amor, paciência e empatia para desempenhá-lo”, considerou.
Porém, Kareemi demonstrou preocupação com a possibilidade de o prazer de ser reconhecido como uma referência para a comunidade se transforme num prazer maior do que o serviço prestado, deixando de ser um trabalho voluntário para se tornar um trabalho por interesse pessoal. Além disso, ela pediu que as pessoas não usassem mais a expressão “ter um problema”, preferindo mencionar que ocorreu um fato. “Quando conotamos um fato como problema, isso se torna um fardo, tencionando-o como uma dificuldade. Quero que instituam que a palavra problema etá excluída do dicionário da vida de vocês”, disse.
Para ela, viver é resolver fatos e a arte de se lidar com as adversidades. Kareemi afirmou que o pensamento positivo dá comando às atividades funcionais de nossas células, uma vez que as doenças teriam origens emocionais. “A limitação das nossas capacidades está na mente. O nosso padrão mental pode ser mudado a favor de uma vida fluida, capaz, hormônica e em paz, concretizando as boas intenções”, entende.
Através da sua vivência ela argumenta a possibilidade de ressignificar fatos difíceis da vida e desenvolver resiliência e aceitação, contagiando os espectadores ao transmitir suas experiências e fazendo com que as pessoas consigam transportar para as respectivas vidas a maneira leve que Kareemi tem de ver e viver fatos tão inusitados desde a infância.
O Programa Núcleos de Mediação Comunitária do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), a partir da Coordenação do Programa Núcleos de Mediação Comunitária, pelos promotores de Justiça Iertes Meyre Gondim Pinheiro, Saulo Moreira Neto e Ana Claudia Uchoa de Albuquerque Carneiro, tem por finalidades a transformação e o empoderamento do cidadão para, através da mediação, dos seus princípios e metodologia, protagonizarem na missão da promoção da paz a partir do diálogo de maneira responsável e cooperativa na busca das melhores soluções que satisfaçam a todos e, dessa forma, emanciparem-se do Estado, gerando autonomia e empoderamento nas suas ações na resolução de seus conflitos.



Fonte: Assessoria de Imprensa
 
Ministério Público do Estado do Ceará

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Dia Nacional do Voluntário


A Coordenação do Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária do Ministério Público do Ceará parabeniza e agradece aos  Mediadores Comunitários, que atuam de forma VOLUNTÁRIA como verdadeiros agentes de transformação social.



quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Com sede reformada, Núcleo de Mediação do Bom Jardim retorna a endereço antigo

O Núcleo de Mediação Comunitária do Bom Jardim, localizado em Fortaleza, retornou, nesta segunda-feira (21/08), a seu endereço antigo e volta, assim, a atender moradores do bairro dentro de um espaço anexo ao Posto de Saúde Argeu Herbster, que fica na Rua Geraldo Barbosa, 1095. Em fevereiro de 2016, o equipamento passou a funcionar, temporariamente, em uma anexo do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do Bom Jardim, enquanto o prédio da unidade de Saúde era reformado e ampliado.
Para evitar prejuízos aos cidadãos que já tenham demandas agendadas, até o dia 31 de agosto, a equipe da Mediação vai se dividir entre o endereço do CRAS e endereço do Posto de Saúde. Os dois espaços deverão funcionar paralelamente até o final do mês a fim de garantir que os moradores do Bom Jardim sejam informados da mudança. A partir de setembro, o atendimento passará a ser feito exclusivamente no novo espaço, anexo ao Posto de Saúde Argeu Herbster.
Coordenado pelo Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária (PNMC) do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), o Núcleo de Mediação do Bom Jardim foi inaugurado em 2011. Desde então, já foram realizados 11865 atendimentos no equipamento. As demandas mais comum recebidas nele envolvem conflitos de natureza familiar, de vizinhos e cobrança de dívidas.
O Núcleo de Mediação Comunitária do Bom Jardim funciona das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas. Mais informações podem ser obtidas no Núcleo, no telefone 3245-8583 ou na Coordenação dos Núcleos de Mediação Comunitária, no telefone 3231-1792.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Ministério Público do Estado do Ceará

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Ônibus do projeto “Mediação Itinerante” do MPCE realiza atendimento no bairro Vicente Pinzón

Com a finalidade de aproximar a comunidade da mediação de conflitos, o veículo do projeto “Mediação Itinerante” do Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária (PNMC) do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) está neste mês de agosto realizando atendimento ao público no bairro Vicente Pinzón. O atendimento é feito no horário de 8 horas às 11h30, nos dias de segunda, quinta e sexta-feira, nas proximidades da base de apoio da Polícia Militar, no Mirante.
O projeto atua junto às comunidades com a divulgação da mediação comunitária e a realização de atendimento ao público na promoção da justiça e da paz. Criado em 2014, através de Acordo de Cooperação entre o MPCE, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus) e o Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos Intermunicipais e Interestaduais do Ceará (SINTERÔNIBUS), o “Mediação Itinerante” atende, em média, 150 pessoas em cada ação. A cada mês, o ônibus da Mediação está em um local diferente.
Em um ônibus adaptado e equipado, a equipe da Mediação Itinerante, formada por mediadores comunitários e supervisores, percorre os bairros e região metropolitana de Fortaleza atendendo não somente os conflitos apresentados, mas atuando na comunidade de modo que seus moradores sintam-se reconhecidos e legitimados a buscarem as melhores soluções para seus conflitos. No primeiro semestre de 2017, foram realizadas 72 ações, com 417 atendimentos à população.
O ônibus tem percorrido, desde julho de 2015, bairros de Fortaleza e Região Metropolitana para atuar na pacificação de conflitos com maior agilidade e acessibilidade. Em 2017, já esteve em Maracanaú, Bom Jardim, Parangaba, Antônio Bezerra, Pirambu, Caucaia, Conjunto Ceará, Vila União, Autran Nunes, Cristo Redentor, Nossa Senhora das Graças, Conjunto São Francisco, Granja Portugal, Jurema, Carlito Pamplona, Conjunto José Walter, Bom Sucesso, Conjunto Esperança, Granja Lisboa, Pan-Americano e Pacatuba.
Por meio do Núcleo da Mediação Itinerante, pretende-se plantar a semente da mediação e divulgar o Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária do MPCE nos locais ainda não contemplados por um núcleo fixo, apresentando uma nova metodologia de abordagem dos conflitos que valoriza a capacidade das pessoas em tratar seus próprios conflitos através do diálogo, de maneira responsável e cooperativa na busca de soluções que satisfaçam a todos.


SERVIÇO:
Mediação Itinerante
Datas: 18/08, 21/08, 24/08, 25/08, 28/08 e 31/08
Hora: 8h às 11h30
Local: Mirante/GPM. Rua Mirante s/n, Grande Vicente Pinzón.



Fonte: Assessoria de Imprensa
Ministério Público do Estado do Ceará


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Servidora do MPMA conhece Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária do MPCE


A servidora do programa Incentivo à Implementação de Núcleos de Mediação Comunitária do Ministério Público do Estado do Maranhão (MPMA), Aládia Chaves, encerrou, nesta segunda-feira (24/07), programação de visitas técnicas e reuniões para conhecer melhor a estrutura e o funcionamento do Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária (PNMC) do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE).
A agenda teve início na última terça-feira (18/07) e contou com uma reunião no dia 19 de agosto com as promotoras de Justiça Iertes Meyre Gondim Pinheiro e Ana Cláudia Uchoa de Albuquerque Carneiro, coordenadora e coordenadora-adjunta do PNMC, respectivamente, e com a assessora técnica do Programa Jucileide Cronemberger.
Aládia Chaves veio em missão oficial realizar um trabalho de imersão nos Núcleos de Mediação Comunitária do PNMC para adquirir subsídios que deverão servir de modelo para revitalizar núcleos de mediação do MPMA. Dentro da programação, a servidora conheceu os Núcleos da Faculdade de Tecnologia do Nordeste (Fatene), localizado em Caucaia, e dos bairros Pirambu, Parangaba e Barra do Ceará.
Cada um deles possui uma peculiaridade que foi explorada nas visitas: o primeiro funciona dentro de uma instituição de Ensino Superior; o do Pirambu é o de maior tempo de existência e com maior registro de atendimentos; o da Parangaba é bastante conhecido pela população; e o da Barra do Ceará passou um tempo fechado e foi reaberto recentemente, passando por uma revitalização.
A visita teve o objetivo de conhecer a experiência de gestão do Programa dos Núcleos de Mediação Comunitária do MPCE e participar, como ouvinte, de sessões de mediação comunitária. Os resultados servirão de subsídio às ações planejadas pelo Gabinete de Mediação Comunitária do MPMA, no sentido de implementar, gerir e disseminar Núcleos de Mediação Comunitária em São Luís e no interior do Maranhão”, explica a servidora que é chefe de Secretaria do Gabinete de Mediação. O órgão foi criado em 2015 e é coordenado pelo promotor de Justiça Vicente de Paulo Silva Martins.
Ela ressalta, ainda, que a primeira ação ao retornar ao MPMA, é revitalizar o núcleo de mediação comunitária do Sol e Mar que está fechado há dois anos. “O nosso objetivo maior é expandir o projeto para outras Comarcas do Maranhão e em outros bairros de São Luiz”, disse Aládia.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Ministério Público do Estado do Ceará